Home / Noticias 2008 / 08-88
 
Roteiro turístico mostra natureza, cultura e história do Brasil


Estrada Real: Um dos maiores complexos
turísticos do Brasil

Imagine um passeio pelas montanhas de Minas, em meio a muita natureza, cultura, história do Brasil e, ainda por cima, a possibilidade de fazer umas comprinhas. Imagine agora sair desse cenário montanhoso das serras da Mata Atlântica e vislumbrar a região praiana do Rio de Janeiro, mais precisamente a Praça XV, área de portos onde produtos nacionais eram e são escoados para o mundo todo.

E que tal desviar um pouco o trajeto e dar uma passadinha no sul de Minas, conhecer as águas medicinais de São Lourenço e Caxambu e terminar pela região serrana de São Paulo?


Tudo isso é que o turista que escolhe um dos roteiros da Estrada Real pode encontrar quando decide conhecer os encantos de Minas, São Paulo e Rio de Janeiro.

A Estrada Real é uma rota que integra esses três estados do Sudeste do País e foi criada dentro de um conceito histórico-cultural concebido na época da colonização, quando os portugueses utilizavam diversos caminhos para transportar as riquezas de Minas Gerais para os portos mais próximos, a fim de levá-las para o Velho Mundo. O roteiro será um dos destaques no 3º Salão de Turismo no Anhembi em São Paulo de 18 a 22 de junho.

Inicialmente, o caminho ligava a antiga Villa Rica, hoje Ouro Preto, ao porto de Paraty. Mas, pela necessidade de uma via de escoamento mais segura e mais rápida ao porto do Rio de Janeiro e também por imposição da Coroa, foi aberto um 'caminho novo'. A rota de Paraty passou a ser o 'caminho velho', a partir do século XVIII. Com a descoberta das pedras preciosas na região do Serro, em Minas, a estrada se estendeu até o Arraial do Tejuco (atual Diamantina), deixando Ouro Preto como o centro de convergência da Estrada Real.

Quatro macrorroteiros foram então desenhados para expressar bem o caminho que os colonizadores faziam: Caminho dos Diamantes (que vai de Diamantina a Ouro Preto em Minas Gerais), Caminho Velho (de Ouro Preto a Paraty, no Rio de Janeiro), Caminho Novo (também de Ouro Preto ao Rio de Janeiro) e o Caminho de Sabarabuçu (de Belo Horizonte a Ouro Preto).

São 1.632 quilômetros de extensão, com quase 200 municípios de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, onde o turista encontra, além de muito verde e um clima bastante aprazível, muitos 'causos' de personagens que ajudaram a construir a história do Brasil. Mais recentemente, o Espírito Santo foi incluído também em um dos roteiros da Estrada. Além disso, a rota está sendo analisada pela Unesco para ser tombada como bem imaterial da humanidade.

O Sebrae é um dos parceiros desse projeto que agrega turismo, negócios e desenvolvimento regional. A responsável técnica pelo núcleo de turismo no Sebrae em Minas Gerais, Mônica Stela de Alencar Castro, conta que a Instituição atua como agente de disseminação e reforço ao empreendedor que quer abrir ou fortalecer seu negócio e, claro, fazer parte de um dos roteiros da Estrada.

De acordo com Mônica de Alencar, uma estratégia de marketing ousado, promovida pelo Governo do Estado, foi uma alavanca para dar mais visibilidade ao projeto. Com isso, os empresários que antes tinham uma visão acomodada de sua própria potencialidade turística, por já estarem acostumados com um tipo de atendimento e com o turismo tradicionalmente feito naquela região, começaram a se preparar para atender à demanda, que aumentou sensivelmente depois da formatação da rota Estrada Real.

Segundo dados do Instituto Estrada Real, o número de meios de hospedagem nesses roteiros em 2006, por exemplo, era de 1.167 estabelecimentos, que empregavam em torno de seis mil pessoas. O fluxo de turistas naquele ano foi de 1,5 milhão de pessoas. Passou para 1,7 milhão em 2007 e a expectativa é que chegue a 2 milhões este ano.

Os dados da Secretaria de Turismo, do Sebrae e da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais dão conta de que os gastos per capita dos turistas por dia na Estrada Real é de R$ 88,70, incluindo hotéis e pousadas para pernoite. "Isso demonstra que não é tão caro passar de cinco dias a uma semana nos roteiros da Estrada Real. Tem pacotes e preços para todos os gostos, estilos, idades e bolsos", garante o empresário Lúcio Ribeiro, da Trilhas de Minas.

Fonte: http://www.gestour.com.br/webengine/servlet/Controller?
command=estradareal&modulo=noticias&id=39927